terça-feira, 20 de outubro de 2015

Conselho de ética alemão quer legalizar sexo entre pais e filhos e entre irmãos

A lei de incesto pode deixar de existir no país porque pros envolvidos no projeto, o mais importante é que adultos possam ter “autodeterminação sexual”. Polêmica à vista. 

No filme "Pecados Inocentes", Julianne Moore vive um pertubador caso de incesto com o filho (Foto: divulgação)
No filme "Pecados Inocentes", Julianne Moore vive um pertubador caso de incesto com o filho (Foto: divulgação)
Em 2010, a lei de incesto causou a maior polêmica na Alemanha quando Patrick Phil, um morador de Karlsruhe, no Sul do país, foi preso por manter relações e ter quatro filhos (dois deficientes) com sua irmã, Susan. De acordo com a Constituição alemã, condenação por incesto entre irmãos é crime e resulta em pena de prisão de até três anos. Mesmo assim, na época o advogado do réu afirmava que a prisão do seu cliente era "uma violação dos direitos fundamentais e uma relíquia histórica". Patrick, além de ter cumprido quase três anos de prisão, foi obrigado a se separar de Susan e perdeu a guarda de três dos quatros filhos. 

Agora, esse quadro parece mudar: no que depender do Conselho de Ética do governo alemão, a lei de incesto vai deixar de existir. A gente explica: em assembleia feita recentemente, o Conselho afirmou que “o direito de irmãos adultos à autodeterminação sexual é mais importante do que a ideia abstrata de proteção à família”, antes de acrescentar que "o direito penal não é o meio adequado para preservar um tabu social, já que as chances das crianças nascerem deficientes são uma grande punição”. Mesmo assim, o partido CDU, da chanceler Angela Merkel, já deixou claro que não tem intenção de permitir que o incesto seja legalizado, alegando que tal atitude “iria completamente contra a obrigação de fazer de tudo pra que as crianças nasçam saudáveis”. O assunto, como era de se esperar, é o novo tabu na Alemanha. 

Fonte: http://revistaglamour.globo.com/Na-Real/noticia/2014/09/conselho-de-etica-alemao-quer-legalizar-sexo-entre-pais-e-irmaos.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário