quarta-feira, 29 de julho de 2015

A origem do buquê de flores


O relato mais antigo sobre ele vem da antiga Grécia, do mito de Himeneu, deus do casamento que, segundo a lenda, recomendava que o buquê deveria estar presente em todos eles. Caso contrário, a união acabaria em desastre. 

Na Idade Média, a noiva fazia o percurso, a pé, para a igreja e no caminho ia recebendo flores, ervas e temperos que lhe trariam ventura e boa sorte. Ao final do trajeto, ela já tinha formado um buquê com esses presentes, e cada um possuía significado específico. 

As ervas para proteção e espantar os maus espíritos, as flores representando os sentimentos da noiva - a hera como símbolo da fidelidade, o lírio da pureza, as rosas vermelhas do amor verdadeiro, as de laranja a fertilidade. Ao final da cerimônia, a moça que conseguisse pegar o buquê lançado às cegas por ela seria a próxima a casar. 

Na Europa, origem do costume, a flor mais utilizada - até hoje - é muguet du bonheur, o lírio da felicidade, a primeira flor que surge depois do degelo, branca e muito perfumada. 

O aroma que os buquês exalam é renovador e purificador. Não esqueçamos que o olfato é um dos sentidos mais apurados da espécie humana. 

Montar um buquê de flores na hora do casamento é, portanto, delicada mensagem que se deixa para o casal, desejo em forma de flor, da felicidade que virá.

Fonte: http://revistalingua.com.br/textos/107/artigo326652-1.asp

Nenhum comentário:

Postar um comentário